GUERRINI, Leandro

De IHGP
Edição feita às 12h26min de 26 de maio de 2015 por Adminihgp (Discussão | contribs)

(dif) ← Edição anterior | Revisão atual (dif) | Versão posterior → (dif)
Ir para: navegação, pesquisa

[Luiz Leandro/Léo Guerra/Porta-Estandarte/Irmão Nemésio/ Neno Guerrini]. N. Piracicaba, 23.2.1896. F. Piracicaba, 5.7.1990. C. a 28.12.1925 c. Jaçanã Altair Pereira Guerrini (v.). Ff.: Lília, Délio. Escritor, jornalista, teatrólogo, professor, historiador, músico (flautista), funcionário público. Filho dos imigrantes italianos Giuseppe e Bárbara Garavelli Guerrini, que, logo após o casamento em 1978, vieram para o Brasil, fixando-se inicialmente numa fazenda, em Recreio. Anos mais tarde, o pai deixou a vida de colono para se estabelecer na cidade com um armazém de secos e molhados, à rua do Rosário. Leandro teve doze irmãos, dos quais apenas sete chegaram como ele à idade adulta. Alfabetizou-se sozinho e freqüentou depois a Escola Noturna Igualitária, do prof. Fernando Lopes; o curso Noturno Joaquim Teixeira Mendes, que funcionava em uma sala do prédio da Prefeitura; e a Escola de Comércio Cristóvão Colombo, onde se formou em 1917. Quando jovem, fez parte de vários grupos dramáticos locais e aprendeu flauta com Erotides de Campos, passando a apresentar-se como flautista do conjunto de músicos que tocava no cine Íris. Atuou em diversas outras orquestras e conjuntos, como músico de flauta e flautim. Ingressou na redação do Jornal de Piracicaba nos anos vinte e foi seu redator-chefe até 1939, quando assumiu a direção da Biblioteca Pública Municipal. O Jornal continuou a contar com os escritos de Guerrini praticamente ao longo de toda a sua vida, sob a forma de crônicas, estudos e artigos de cunho histórico e colaboração vária. Paralelamente ao jornalismo e à direção da biblioteca, lecionou português e música no Colégio Piracicabano por muitos anos, assim como na Escola de Comércio Cristóvão Colombo, no Colégio Assunção e na Escola Normal Oficial. Boníssimo, estudioso, dedicado, perspicaz, rigoroso e muito culto, pesquisou exempla-rmente todo o passado piracicabano, divul-gando o produto das suas investigações em muitas centenas de artigos e livros, com destaque para a sua História de Piracicaba em quadrinhos (1970), em dois volumes, e De Piracicaba para Piracicaba (1961). Paralelamente às atividades profissionais, sob o pseudônimo de Luiz Leandro, criou diversas peças teatrais, interpretadas por algumas das principais companhias teatrais brasileiras de então (Salaberry, Palmeirim Silva, Nino Nelo, Darcy Cazarré, Iracema de Alencar). A coleção “Teatro Nacional” da editora Hottum Zagari editou suas peças O príncipe encantado e Opereta sem música, nos anos quarenta. Criou numerosas peças radiofônicas, transmitidas para todo o país pelas rádios Mayrink Veiga e Tupi, do Rio de Janeiro. Os vinte e um contos que escreveu foram reunidos no livro Contos para uma noiva (1981). Deixou-nos um livro de memórias: Leandro Guerrini, fotógrafo de si mesmo (1995). Na mocidade, Guerrini foi entusiasta pelo futebol, tendo participado da fundação do Esporte Clube XV de Novembro em 1913, que, segundo suas próprias palavras, surgiu “praticamente no quintal de casa... que era vasto e se localizava na rua de Santo Antônio”. Detentor de inúmeros diplomas e honrarias, medalhas e troféus - cerca de quatro dezenas -, entre os quais a medalha D. Maria Leopoldina do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (1954), a medalha do Bicentenário de Piracicaba (1967) e a estatueta Imprensa de Piracicaba, do Lions Clube Centro de Piracicaba (1975). Foi membro da Loja Maçônica Piracicaba. “Raras vezes a vida nos oferece uma personalidade assim tão cheia de facetas, uma espécie de caleidoscópio intelectual... Raros viveram tão intensamente e poucos terão desfrutado tantas emoções. A muito custo se há de encontrar outra criatura que, através do ensino, do jornal, da arte ou do livro, tenha exercido tamanha influência sobre a sociedade em que viveu e sobre as gerações com que conviveu... Homem que viveu soberbamente uma porção de vidas” (Flávio Toledo Piza, 1974). “Foi uma das inteligências mais brilhantes que Piracicaba já possuiu... Verdadeiro mestre da sabedoria e da gentileza” (Jornal de Piracicaba, 1990). Foi um dos fundadores do Instituto Histórico e Geográfico de Piracicaba e da Academia Piracicabana de Letras. Há uma praça com seu nome, na Nova Piracicaba, junto à avenida Paulista.



Pfromm Netto, Samuel, 1932-2012. Dicionário de Piracicabanos / Samuel Pfromm Netto. — 1. ed. — São Paulo : PNA, 2013.