GOMES, Frederico Pimentel

De IHGP
Edição feita às 12h12min de 26 de maio de 2015 por Adminihgp (Discussão | contribs)

(dif) ← Edição anterior | Revisão atual (dif) | Versão posterior → (dif)
Ir para: navegação, pesquisa

. N. Piracicaba, 19.12.1921. F. Piracicaba, 24.11.2004. C.c. Mary Lee Fonseca de Bem Gomes. Ff.: Marly, Valquíria, Vangri. Filho de Raymundo Pimentel Gomes (v.), engenheiro agrônomo formado em 1922 na ESALQ, e Sylvia de Souza Gomes, era neto de família tradicional de fazendeiros do Ceará. Deixou a Paraíba em 1937 para cursar o Colégio Universitário da ESALQ e formou-se nesta em 1943. Passou a lecionar na ESALQ no ano seguinte, como professor assistente, primeiramente de Botânica e a seguir da 16ª Cadeira, Matemática. Doutorou-se (1948) e no mesmo ano foi aprovado em concurso de livre- docência (1948), conquistando a cátedra (1959) da 16ª cadeira, posteriormente Departamento de Matemática e Estatística. Em meados do século lecionou no Colégio Piracicabano. Aperfeiçoou-se nos EUA, na Universidade da Carolina do Norte (1952-53), onde se especializou em matemática e estatística. Na década de 60 foi reitor de Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (1964), diretor geral de departamento do Ministério de Agricultura (1965) e diretor da “Revista de Agricultura” (1968 a 2004). Nos anos 70 dirigiu a Escola de Engenharia de Piracicaba (1971-74) e pertenceu ao Conselho Universitário da USP (1974 a 1978). Nos anos 90 presidiu em dois mandatos o Instituto Histórico e Geográfico de Piracicaba (1995-98). Ministrou cursos na Argentina em 1961, 1972 e 1973. Publicou mais de cinco dezenas de pesquisas, artigos, dez livros e teses, destacando-se entre suas obras os livros “Curso de Estatística Experimental” (14 edições até 2005) e “Estatística Aplicada a Experimentos Agronômicos e Florestais” (2002), escrito em colaboração com C. H. Garcia. Recebeu numerosas medalhas e honrarias, entre as quais as medalhas Marechal Rondon em 1965, Bicentenário de Piracicaba em 1969, Prudente de Moraes em 1995 e Mérito Científico e Tecnológico da ESALQ em 2001. A ESALQ homenageou-o com troféu do seu primeiro centenário, por seu trabalho na implantação dos cursos de pós-graduação, em 1964. Pertenceu a várias sociedades científicas e culturais, entre as quais a Sociedade Internacional de Biometria, tendo sido presidente da divisão desta no Brasil, assim como a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência e a Sociedade Brasileira de Ciência do Solo. Culto, modesto, afável, mas reservado, perdura na história piracicabana e do país como magnífico modelo de cientista, administrador, cidadão prestativo e professor exemplar.



Pfromm Netto, Samuel, 1932-2012. Dicionário de Piracicabanos / Samuel Pfromm Netto. — 1. ed. — São Paulo : PNA, 2013.