DUTRA, Antônio de Pádua

De IHGP
Edição feita às 10h55min de 25 de maio de 2015 por Adminihgp (Discussão | contribs)

(dif) ← Edição anterior | Revisão atual (dif) | Versão posterior → (dif)
Ir para: navegação, pesquisa

N. Piracicaba, 30.5.1906. F. Nápoles, Itália, 11.1.1939. Artista plástico e irmão de pintores, os Dutra piracicabanos (vv.), aprendeu desenho e pintura com o pai e os irmãos mais velhos, formou-se pela Escola Normal de Piracicaba em 1923 e foi professor de desenho da Escola Normal de Casa Branca, SP. Foi igualmente discípulo de frei Paulo de Sorocaba (v.). Ganhou prêmio de viagem em 1937, em concurso público, para aperfeiçoar-se em Florença, na Itália, no curso superior de arte da Reggia Academia di Belle Arti, tendo sido aluno de um mestre afamado, Felice Carena. Participou de inúmeras exposições no país e no exterior e obteve vários prêmios, no Salão Nacional de Belas Artes (menção honrosa, 1926; medalha de bronze, 1927; medalha de prata, 1932), no Salão Paulista de Belas Artes (menção honrosa, 1936; grande medalha de ouro, 1939, póstuma). Pinturas e desenhos de sua autoria encontram-se em entidades oficiais de artes e coleções particulares brasileiras e do exterior. Colaborou na imprensa da região piracicabana, com notas de viagem, crônicas e poesias, e no jornal A Gazeta (1937), na capital paulista. Foi co-autor do “Manual de campanha do voluntário constitucionalista” e “Christus, bases da ação católica”, com prefacio de Tristão de Athaíde, Rio de Janeiro, José Olympio, 1931. Presidiu o Centro do Professorado Paulista em Piracicaba, onde organizou uma pinacoteca, posterior-mente agregada ao Museu Prudente de Moraes. Criou a disciplina Desenho Pedagógico nas escolas normais do Estado, juntamente com seu irmão Archimedes. De acordo com Carena, seu mestre em Florença, Alípio “estudava com profundo amor, tinha grande paixão pela sua arte e se preparava solidamente para se afrontar os mais vastos e complexos problemas. Dotado de uma verdadeira sensibilidade, de grande amor pelo estudo e pela natureza” (cit. em Melo, 1954). Foi, segundo Velloso (2000), “estrela de primeira grandeza no panorama artístico nacional”. Além de pintor, foi músico - compositor e instrumentista de saxofone - e teria sido eleito pelo Partido Integralista em 1937, para a Câmara Municipal de Piracicaba, de acordo com Velloso (op. cit.), mas seu nome não figura na relação de vereadores piracicabanos publicada por Vitti (1966). Faleceu antes de terminar seus estudos em Nápoles, na Itália, sem completar 33 anos de idade. Há uma praça com seu nome, no centro da cidade.



Pfromm Netto, Samuel, 1932-2012. Dicionário de Piracicabanos / Samuel Pfromm Netto. — 1. ed. — São Paulo : PNA, 2013.