BRAGA, Cincinato César da Silva

De IHGP
Edição feita às 14h32min de 20 de maio de 2015 por Adminihgp (Discussão | contribs)

(dif) ← Edição anterior | Revisão atual (dif) | Versão posterior → (dif)
Ir para: navegação, pesquisa

N. Piracicaba, 7.7.1864. F. Rio de Janeiro, RJ, 12.8.1953. Político, advogado, escritor. C.c. Rita Garcez. F. do piracicabano major Domingos José da Silva Braga e Bárbara Augusta César de Matos. Aprendeu as primeiras letras em Descalvado, na Fazenda Graciosa, onde passou a residir aos 7 anos de idade. Dos 13 aos 18 anos, estudou e diplomou-se em Campinas, no Colégio Culto à Ciência. Após ingressar em 1881 na Faculdade de Direito de São Paulo, filiou-se ao movimento republicano e passou a fazer parte da Confederação Abolicionista Acadêmica. Em fins de 1885, um registro da “Gazeta de Piracicaba” refere-se à sua atuação, ao tempo em que era quintanista de direito, como examinador dos alunos do Colégio Piracicabano naquele ano, juntamente com Prudente de Moraes e outras personalidades de renome (Elias, 2001). Bacharel em direito em 1886, tornou-se promotor público e a seguir advogado, em São Carlos do Pinhal, SP. Mudou-se para a Capital do Estado em 1889, onde continuou a atuar como advogado. Dois anos depois, tomou parte na dissidência política ao lado de Prudente de Moraes e Júlio de Mesquita. Candidatou-se, então, a deputado na Assembléia Constituinte estadual e foi eleito, exercendo o mandato até a dissolução do Congresso pelo Marechal Deodoro. Em 1892 elegeram-no deputado federal, tendo sido reeleito várias vezes. Apoiou Rui Barbosa em 1909, contra a candidatura do Marechal Hermes da Fonseca à presidência da República. Liderou a bancada paulista na Câmara de 1912 a 1916 e viu divulgados nos jornais da época seus artigos que preconizavam mudanças na estrutura econômica e financeira do país. Com Raul Fernandes e Gastão da Cunha, representou o Brasil na Liga das Nações em Genebra e na Confederação Internacional do Trabalho em 1919. Defendeu com denodo os interesses econômicos paulistas em 1924, como membro da Comissão de Finanças da Câmara. Pouco depois surgiu a série dos seus artigos intitulados “Magnos problemas econômicos de São Paulo”, publicados no jornal O Estado de S. Paulo, que reuniu em forma de livro, várias vezes reeditado. Empenhou-se em 1923 pela transformação do Banco do Brasil em banco emissor central do país. Em 1932 participou da Revolução Constitucionalista e foi eleito deputado constituinte no ano seguinte. Presidiu o Banco do Brasil e fez parte do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo e do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (Rio de Janeiro). A abundante bibliografia de Cincinato Braga, além de grande número de artigos em periódicos, inclui mais de uma dúzia de livros, a partir de um estudo sobre a fundação de São Carlos, SP, editado em 1894, até a reedição, em 1948, do seu “Magnos problemas econômicos de São Paulo”, como volume da prestigiosa coleção “Problemas brasileiros”, da Editora José Oympio. Faleceu no Rio de Janeiro em uma casa de saúde, mas seu corpo foi transportado para a capital paulista e sepultado no cemitério da Consolação. Há uma rua com seu nome, junto aos bairros Jardim Elite e Nova América.



Pfromm Netto, Samuel, 1932-2012. Dicionário de Piracicabanos / Samuel Pfromm Netto. — 1. ed. — São Paulo : PNA, 2013.