BRASIL, Nelson Oliveira Camponez do (Nelson Camponez de Oliveira)

De IHGP
Ir para: navegação, pesquisa

N. Piracicaba, 26.5.1901, f. 9.3.1952. C.c. Lydia Pereira Granja. Ff.: Moacyr Sobrinho, Nelly, Ysmália. Neto de um comerciante de secos e molhados na vila da Constituição em meados do século 19, o capitão João Francisco de Oliveira, descendia de antigos troncos de Itu, SP, e era f. de João Francisco de Oliveira Netto, funcionário da antiga Escola Agrícola Prática Luiz de Queiroz (ESALQ, a partir de 1931), e Leonor Kronka de Oliveira, n. em Varsóvia, na Polônia. Nelson teve oito irmãos: Aracy, Ary, Iracema, Jandira, José Maria, Poty e Sady, que se formaram como professores, e Moacyr, formado em farmácia. Nelson diplomou-se em 1920 pela Escola Normal de Piracicaba, a futura Sud Mennucci. Foi professor e diretor do ensino primário, oficial da reserva do Exército e participante das revoluções de 1930 e Constitucionalista de 1932. Dos anos 30 até falecer em meados do século, devotou-se aos estudos da história de Piracicaba e à colaboração na imprensa local - no Jornal de Piracicaba, na Gazeta de Piracicaba e no Diário de Piracicaba. Tornou-se, assim, nome dos mais significativos de sua terra natal, no que respeita à investigação histórica. Foi “um estudioso, paciente, fuçador, em relação aos fatos, às datas, às gentes de nossa terra. Ninguém como ele para procurar, pesquisar, esmiuçar o passado de Piracicaba. A sua casa era um verdadeiro museu, cheirando a Piracicaba antiga... Foi pena, realmente, Nelson Camponez de Oliveira morrer tão cedo” (Guerrini, 1961). Deixou inúmeros trabalhos históricos publicados nos anos 30 e 40 nos jornais da cidade e muitos escritos inéditos, tendo elaborado alguns capítulos de uma “História da fundação de Piracicaba”, que não chegou a terminar. Vários estudos de sua autoria encontram-se no livro “De Piracicaba para Piracicaba”, organizado por Leandro Guerrini (1961), entre os quais a notável série intitulada “Chimangos piraci-cabanos de 1842”, divulgada pela imprensa local em 1942. Vários outros Camponez do Brasil fazem parte do passado de Piracicaba, como os professores Ary e Sady de Oliveira Camponez do Brasil e o engenheiro agrônomo e professor Moacyr de Oliveira Camponez do Brasil Sobrinho. Ary, irmão de Nelson, foi combatente piracicabano na Revolução Constitucionalista de 1932. Sady, igualmente professor, c.c. Rosália Barbosa Camponez do Brasil e irmão de Nelson, n. em 1916 e f. em 15.8.2004 em Piracicaba. Um dos filhos de Nelson, engenheiro agrônomo Moacyr de Oliveira Camponez do Brasil Sobrinho, formou-se pela ESALQ em 1948. Doutorou-se pela mesma escola em 1958 e tornou-se livre- docente em 1965, fazendo parte do seu quadro de docentes e pesqui-sadores, desde 1952, atuando como professor adjunto na 2ª Cadeira (Química Agrícola), que a partir de 1970 passou a integrar o Depar-tamento de Solos e Geologia. Camponez do Brasil Sobrinho fez parte da primeira diretoria da Associação dos Amadores de Astronomia em Piracicaba, surgida em 1981 e presidiu o Clube de Campo e o Instituto Histórico e Geográfico de Piracicaba de 1998 a 2002 (dois mandatos). Foi c.c. Terezinha Porfírio Camponês do Brasil, n. 1926 e f. em São Paulo em 22.9.1980. Ff.: René, Hebe, Inayá. (Perecim, Jornal de Piracicaba, 2001; Lordello e col., 1976; Guerrini, 1961). Há uma rua Nelson Camponês do Brasil no bairro Maracanã.



Pfromm Netto, Samuel, 1932-2012. Dicionário de Piracicabanos / Samuel Pfromm Netto. — 1. ed. — São Paulo : PNA, 2013.