BIANCO, Olívia

De IHGP
Ir para: navegação, pesquisa

. N. Piracicaba, 7.5.1883. F. séc. 20. F. de Francisco Bianco, italiano, e Júlia Amélia de Moraes Bianco. Professora. Lecionou ginástica feminina na antiga Escola Normal de Piracicaba. Fez parte da primeira turma de 15 professores formados em 1900 pela Escola Complementar de Piracicaba (mais tarde Escola Normal Sud Mennucci). Instalada em 1897, a escola funcionou em um prédio à rua do Rosário, que posteriormente sediou a Escola Industrial Fernando Febeliano da Costa. Olívia Bianco teve por companheiros Antónia de Azevedo, Cândida Correa Borges, Ana Joaquina Bueno, Ana Cândida Canto, Avelina Ferreira da Cunha, Carolina de Souza Costa, Cherubim Fernandes de Sampaio (v.), Domitila Silveira de Menezes, Eugênia Silva, Joaquim Diniz, José Henrique Marques, José da Silva Nunes, José Martins de Toledo (v.) e Maria Isabel da Silva (Jornal de Piracicaba, 1947). As professoras Olívia, Maria Isabel, Antónia, Ana Joaquina e Domitila, recém-formadas, passaram a integrar o quadro de professores do Primeiro Grupo Escolar de Piracicaba (posteriormente Barão do Rio Branco), no início do século 20 (Perecin, 1996). Há uma Escola Estadual Profa. Olívia Bianco, no Bairro Jaraguá, e uma rua com seu nome, no Jardim Brasília. BICKING, Tome (Séc. 19). É mencionado entre os primeiros emigrantes com sobrenomes germânicos que se fixaram em Piracicaba e arredores, inicialmente colonos destinados à lavoura, muitos dos quais depois se deslocaram para o meio citadino, estabelecendo-se com pequenos negócios. Krähenbühl (1955) refere-se ao contrato de casamento de Bicking com Rosa Fuchs, datado de 1859, sendo neste mencionada a colônia São Lourenço de Piracicaba. Os emigrantes aqui referidos eram alemães, suíços, austríacos, prussianos e outros. Há documentação que menciona a existência do Bairro dos Alemães na cidade em 1861. A fonte aqui indicada refere- se a diversos comerciantes com sobreno-mes germânicos em Piracicaba, em meados do século 19: Martinho Diehl, Carlos Ritter, Henrique Schmelling, Pedro Sommerhauser, Bento Vollet, Justino Wolmar. Refere-se igualmente a uma monografia de Júlio Conceição, publicada em 1912, na qual constam nomes de ex-colonos: Diehl, Eschor, Koch, Krähenbühl, Lambstein, Morbach, Portz, Priester, Schmidt, Stein, Vouet. O Schmidt desta relação seria o futuro coronel Francisco Schmidt (v.), conhecido como “rei do café”. (V. Vollet, família.)



Pfromm Netto, Samuel, 1932-2012. Dicionário de Piracicabanos / Samuel Pfromm Netto. — 1. ed. — São Paulo : PNA, 2013.