BARROS, Paulo José de Moraes

De IHGP
Ir para: navegação, pesquisa

N. Piracicaba, 16.7.1866. F. São Paulo, 16.12.1940. Médico, político, agricultor, senador, ministro. C. 1as núpcias c. Elisa de Salles, f. Berlim em 1911, ff. Cora, Helena, Paulo. C. 2as núpcias c. Maria Luiza Quirino dos Santos. Era filho do senador Manoel de Moraes Barros (v.) e Maria Inês Silva Gordo de Moraes Barros e sobrinho de Prudente de Moraes. Formou-se em 1888 pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro e no ano seguinte voltou a Piracicaba, instalando consultório à rua São José. Vereador (1892, 1896-1913), foi presidente da Câmara Municipal em várias legislaturas e exerceu o cargo de inspetor sanitário, liderando o combate às epidemias. Fez parte do corpo clínico da Santa Casa de Misericórdia local e participou como membro da Irmandade desta. Exerceu vários postos elevados nos governos do Estado e federal. Foi intendente municipal em Piracicaba (1891) e chefiou o Partido Republicano da cidade (1894). Em 1905-6 permaneceu na Europa, em companhia da esposa, gravemente enferma. No segundo governo paulista de Rodrigues Alves, foi secretário da agricultura do Estado (1912-15). Esteve no Oriente em fins de 1916 e representou o Brasil no Congresso Algodoeiro de Viena (1924) e no Congresso de Emigração em Roma. De maio de 1924 a janeiro do ano seguinte, permaneceu no Egito, para estudos sobre produção do algodão, a serviço do Ministério da Agricultura. Um dos fundadores do Partido Democrático (1926), foi deputado federal em 1909-11 e 1927-29, senador (1935- 37), ministro da agricultura (1930), ministro do Estado da viação e obras públicas (1930) e secretário da fazenda de São Paulo (1932). A Fazenda Pau d’Alho, de sua propriedade, acolheu como trabalhadores os primeiros imigrantes japoneses em Piracicaba, a 7.9.1918. Participou da Revolução Constitucionalista de 1932. Como administrador de grandes empresas, esteve à frente da Moraes Barros e Irmãos (Fazenda Pau d’Alho), Companhia Cafeeira do Rio Feio (Fazenda Chantebled) e Tecelagem Paraíba. Cambiaghi (1984) registra que pertenceu ao doutor Paulo o primeiro automóvel a circular em Piracicaba. Tendo falecido em São Paulo, seu corpo foi transportado para sua cidade natal e sepultado no cemitério da Saudade. Em sua homenagem há uma avenida com seu nome, na Paulista.



Pfromm Netto, Samuel, 1932-2012. Dicionário de Piracicabanos / Samuel Pfromm Netto. — 1. ed. — São Paulo : PNA, 2013.