ARANHA, Xisto de Quadros

De IHGP
Ir para: navegação, pesquisa

(Séc. 19). Um dos três vereadores eleitos em 10 de agosto de 1822, na primeira eleição ocorrida em Piracicaba, quando a Freguesia de Santo Antônio de Piracicaba, subordinada a Itu e Porto Feliz, foi elevada à condição de vila, passando a denominar-se Vila Nova da Constituição. Juntamente com Aranha, foram eleitos vereadores Garcia Rodrigues Bueno e o alferes Miguel Antônio Gonçalves. A Câmara, eleita para um mandato de um ano, tinha poderes tanto legislativos como executivos. Na mesma ocasião foram eleitos os capitães João José da Silva (v.) e Domingos Soares de Barros Ferraz, como ordinários, o primeiro para presidente da Câmara; Pedro Leme de Oliveira, como procurador; Manuel de Barros Ferraz (v.), como juiz de órfãos; e João José da Silva (v.), para o cobiçado cargo de capitão-mor das ordenanças da Vila. Para o mesmo posto foram eleitos, em segundo e terceiro lugar, respectivamente, Domingos Soares de Barros (v.) e o tenente João Leme de Cerqueira (Guerrini, 1970). A fonte aqui mencionada esclarece que as ordenanças na verdade constituíam o próprio Exército brasileiro e que serviam homens de 18 a 60 anos de idade. Existiam em cada cidade ou vila, sendo compostas de 250 homens, chefiados pelo capitão-mor. Em 1823 Aranha passou a ocupar o cargo de tesoureiro dos bens dos órfãos da comunidade. Seu nome figura, juntamente com os de “Franco, Carvalho e Gorgel”, em documento da Câmara de Constituição datado de 1828. Aranha foi um dos signatários da demarcação do rossio - perímetro urbano - de Constituição, logo após sua elevação a vila (município), a 13.8.1822. Uma rua do Jardim Elite, junto às avenidas Piracicamirim e Prof. Alberto Vollet Sachs, recebeu seu nome



Pfromm Netto, Samuel, 1932-2012. Dicionário de Piracicabanos / Samuel Pfromm Netto. — 1. ed. — São Paulo : PNA, 2013.